Deixe seu e-mail e seja o primeiro a ler nossos artigos

    Com a pandemia, investir em tecnologia se tornou questão de sobrevivência para as escolas

    29/04/2021

    Garantir o acesso às novas tecnologias, para professores e alunos, e às plataformas seguras se tornaram tarefas obrigatória dentro das instituições de ensino

    Há um ano o modelo de ensino foi completamente transformado por causa da pandemia de Covid-19. Milhões de crianças em todo o mundo passaram a acompanhar as aulas de casa, pelo computador, tablet, celular e outros equipamentos. O ensino remoto, que até então só era permitido para os níveis superiores, passou a ser aceito para os estudantes da educação infantil, ensino fundamental e ensino médio, como uma forma de manter o aprendizado e a conexão entre o estudante e a comunidade acadêmica.

    A tela do computador tomou o lugar do quadro negro, a escrivaninha foi adaptada para se transformar em carteira escolar e o recreio se transformou num bate-papo virtual entre velhos conhecidos de pouca idade. A situação que, aparentemente, duraria apenas alguns poucos meses acabou se estendendo e as adaptações que provocou já são consideradas alguns dos legados da pandemia.

    Por outro lado, esse cenário obrigou as instituições de ensino a se reinventarem às pressas para poder dar continuidade ao projeto educativo. O empresário Frederico Stockchneider, diretor de tecnologia na InfoWorker Tecnologia e Treinamento, analisa que, se inicialmente as coisas aconteceram de forma meio improvisada, sem que as escolas soubessem o cenário que estava por vir, agora já está mais do que claro que o investimento em novas plataformas é uma necessidade no mundo pós-pandemia. “O ensino híbrido já é uma realidade e ele veio para ficar. Mas quando se fala em tecnologia em sala de aula, há muito mais para ser explorado. Só que isso exige investimentos em infraestrutura e na qualificação das equipes”, pontua.

    Stockchneider, que atua com a implantação de softwares de gestão e soluções da Microsoft para diversos tipos de empresas e segmentos, conta que a demanda no setor de educação cresceu 340% em 2020, no comparativo com o ano anterior. Ele destaca quatro grandes desafios nas escolas: falta de estrutura técnica (rede, computadores, wi-fi); capacitação profissional e tecnológica; desigualdades sociais mesmo nas instituições privadas de ensino e o preconceito no uso das novas tecnologias na educação.

    O empresário alerta que não basta apenas investir em conectividade, plataformas e redes. É necessário investir na parte de segurança da informação para evitar que alunos e professores e toda a comunidade acadêmica sejam alvos de ataques hackers. “Além disso, é fundamental garantir a segurança dos dados armazenados pela instituição”, enfatiza.

    Confira a matéria no site da Segs.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.